Teste Teste Teste

comments powered by Disqus

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Pode um homem salvar a humanidade ?

Acho que todo cinéfilo é assim: dificilmente vamos ao cinema a toa. A não ser quando saímos com pessoas normais como esposas, namoradas, irmãs e outros não-nerds. Já que não pagaria a entrada, aceitei ir a rede Cinemark ver um filme qualquer, e devido a proximidade do horário, vislumbrei o novo do Nicholas Cage, Presságio (Knowing), meio que a contragosto....

Já tinha lido uma critica desse filme, mas só me interessei pela produção quando vi o nome do diretor, já durante a supra citada exibição. Alex Proyas ! Alguns podem não ligar o nome a coisa, mas 3 filmes do cara são obrigatórios em qualquer dvdteca nerd que se prese: O Corvo (1994), Cidade das Sombras (1998) e Eu,Robô (2004). O diretor egípcio tem um gosto particular por ficção e temas sobrenaturais, e nesse último ainda mesclou um pouco de religião a coisa toda.

O bom spoiler : quem não viu o filme, não entende nada

Uma breve sinopse: em 1959, uma escola primária americana idealiza uma 'cápsula do tempo', onde crianças cololocariam desenhos de como acreditavam que seria o futuro, para que 50 anos depois outras crianças reabrissem essa cápsula para ver essas cartas, e quem sabe tornar o mundo melhor com essas idéias (!?). Enquanto muitos desenham robôs e carros voadores, a estranha Lucinda escreve freneticamente uma sequência de números, aparentemente sem sentido. quando é interrompida pela professora...
Meio século depois a cápsula é reaberta, e por aparente coincidência cai nas mãos do astrofísico John Koestler, que ao acaso identifica um trecho com a numeração 91101, ou Setembro, 11, 2001, o atentado as Torres Gemeas. O grupo seguinte de numerais é 2996, o número exato de vitimas do atentado. Loucura ? A partir daí, Cage percebe que todas as combinações indicam algum grande desastre natural ou acidental, com data, local e número exato de mortos. E ainda tem mais 3 eventos a acontecer. E agora, o que fazer ??

Aí chego num ponto interessante. Pode um homem salvar o mundo do desastre iminente ? Como amante de sci-fi, hqs, games e animes, sou sujeito a alguns tipos de exagero, mas se tem uma coisa que não aceito é quando os autores colocam o destino da Terra (as vezes do Universo) nas mãos de uma única pessoa, ou um grupo de pessoas. Impossível ! É como se ficassem reciclando a história de Jesus Cristo inumeras vezes, afinal, esses heróis são destinados a salvar a humanidade. A diferença é que ao invés de serem mártires em cruzes, soltam kamehamehas, impedem o planeta de ser devorado por criaturas celestiais, e ainda vivem para receber as glórias... como mais um dia de trabalho. O protagonista de Presságio luta contra uma inevitabilidade, e como nós humanos gostamos desse negócio de esperança, até certo ponto acredita que pode fazer algo pra evitar as catástrofes. Sozinho.
As cenas de destruição são realmente impactantes, duvido quem não se surpreenda principalmente com a primeira (acima). E um mérito do diretor é que até certo ponto não conseguimos deduzir a sequência de eventos, o que é fator comum em filmes catástrofe. Já notaram que em muitos filmes do genêro, sempre rolam piadinhas, romances, e que normalmente os cães e gatos sempre sobrevivem as piores ecatombes ? O último quarto do filme perde um pouco o impacto, pois a explicação dos eventos é meio piegas, acabou quebrando o suspense dos primeiros 90 minutos, e o final me lembrou um folheto de igreja evangélica.

Mas o final nem de longe apaga o inúmeros méritos do filme, vale (muito) o ingresso. E é uma ótima opção pra curtir o feriadão também. Ou vão ficar em casa, fazendo as mesmas coisas de sempre ?

Então até mais galera ! Se o mundo não acabar, na próxima segunda (ou antes) estamos aí :)

Reações: