Teste Teste Teste

comments powered by Disqus

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Vida longa e próspera ! A volta de Star Trek

Como vão caríssimos nerds e otakus do meu Brasil ? Como viram, eu e o Diogo ainda não criamos uma saudação decente :( ... Mas dane-se, vamos ao que interessa !


Graças a um amigo que apresentou-me o seriado Battlestar Galactica (possível tema para um futuro post), reacendi meu amor pelos enlatados gringos de ficção cientica, em especial as com batalhas espaciais. E com a vinda do novo Jornada nas Estrelas, resolvi interar a galera no tema. Afinal sou um nerd multifacetado (ui), minha gama de conhecimento nerd se estende a vários nichos (ou seja, menos grana na carteira comprando bugigagas), e quem sabe até consigo ativar o geek que existe em vocês.

Quem nunca ouviu falar de Star Trek ? Creio que todos devem conhecer algo desse seriado, sobre a viagem de cinco anos da Enterprise por ondem nenhum homem jamais esteve... Bah, pra nossa geração, a série clássica era uma grande porcaria ! Atuações pifias, efeitos especiais toscos e histórias simplórias. Por muito tempo Eu dizia isso em alto e bom tom, era um detrator confesso da série original, só de ver alguma propaganda já queria vomitar. E sei que muitos amigos pensam o mesmo. Mas com o tempo vem os cabelos brancos, e eles sempre me fazem revisar alguns conceitos.

A série foi inovadora em muitos sentidos. Em 1966, o que mandava no gosto dos americanos ?? Faroeste ! Criar uma série de TV espacial era muita ousadia. Na verdade, para conseguir vender o seriado, o criador Gene Rodenberry vendou a idéia para a Paramount justamente como se fosse um western espacial. Para baratear a produção, os exploradores encontrariam em sua jornada muitas realidades semelhantes a nossa, encontrando planetas similares a Terra em várias épocas distintas reaproveitando cenários de outros seriados e telefilmes. Isso era o conceito de Mundos Paralelos. Sei que muitos daqui lêem hq's americanas, então vocês sabem como virou corriqueiro falar de realidades alternativas, cronologias diferentes... hoje é carne de vaca, mas para a década de 60 era uma grande inovação. Mais uma inovação foi o teletransporte. Foi uma forma brilhante de transportar os tripulantes a um planeta desconhecido sem ter de usar naves para descer até lá. Outra coisa bem comum para nós, mas que na época tambem foi novidade. fora o design das naves e equipamentos, o comunicador dos caras era praticamente como nossos 'atuais' celulares com flip.

A trinca de personagens principais era foda. O capitão James T. Kirk, era meio que o típico herói de ação que todos gostamos: meio canastrão, bom de briga, e pegava TODAS as gostosas que apareciam. O doutor Leonard McCoy era emotivo e desconfiado, não confiava muito em tecnologia e muitas vezes agia com preconceito contra raças alienigenas: era o melhor e o pior do ser humano comum. Já o primeiro-oficial, talvez o mais conhecido de todos, o Sr. Spock, era o mais racional de todos. Um ser hibrido, tinha pai vulcano (uma raçã alienigena extremamente lógica e cientifica) e mãe humana. Tinha um conflito interno permanete entre a razão e a lógica da sua metade vulcaniana e da emoção e intuição de sua metade humana. Suas discussões com McCoy eram memoraveis.

Os episódios iam de loucas aventuras em Terras alternativas, a combates com raças espaciais ferradas, como os klingons, romulanos e até humanos geneticamente alterados, liderados por Khan (o melhor vilão de Star Trek), e outras histórias incrivelmente criativas. Pra terem uma idíea, no 4° episódio da primeira temporada "Inimigo Interior" , um defeito no teletransporte duplica o capitão Kirk criando uma versão honrada e pacifica, e outra inescrupulosa e maligna. Fora as confusões que vocês já devem ter imaginado, mesmo porque HOJE é algo meio clichê esse tipo de história, descobre-se que os dois estão morrendo aos poucos. Caramba, os caras exploraram a dualidade do ser humano nesse episóido, já que separados, esses seres fisicamente iguais, mas tão diferentes em suas personalidades não podem sobreviver. Conflitos entre razão e emoção é o que nos faz humanos não é ?
No inicio o seriado aparentemente não fez sucesso. Na verdade, a cada final de temporada a série beirava o cancelamento devido a baixa audiência, mas o sistema de medição era totalmente falho. Acontece que nessa época a classicficação só era determinada por números, não era divida por faixa etária, público alvo, etc. No quadro geral, Star Trek era um fracasso, mas o público que atingia era exatamente da faixa etária que os patrocinadores queriam atingir: jovens de 16 a 39 anos. Mas era tarde demais, a série foi cancelada em sua 3° temporada, com 79 episódios.

O público queria mais. As infinitas reprises não mais os satisfaziam, foi até produzido em 1973 pela Filmation (a mesma que posteriormente fez He-Man, She-Ra, Caça Fantasmas...) um desenho com 22 capitulos, com novas aventuras contando com os personagens originais. Mas não era o bastante, todos queriam rever seus heróis de carne e osso. Posteriormente, Gene Rodenbery viu o quanto sucesso estava fazendo o filme espacila de George Lucas e abandonando uma possivel continuação para tv, consegue orçamento maior para um longa para cinema. E uma curiosidade: o diretor do primeiro filme (agora serão 11) era Robert Wise que dirigiu o oscarizado A Noviça Rebelde, também o recentemente mal refilmado O Dia em que a Terra Parou, além de ter feito a edição do mega-clássico Cidadão Kane. Devido a muitas interferências e brigas, a versão final de Jornadas nas Estrelas - O Filme, não saiu como Wise queria, mas fez muito sucesso. E para quem quiser, já voi lançada uma versão do diretor em dvd, com direitos a novos efeitos e cenas que haviam sido cortadas.

Ao todo, foram feitos 10 filmes, uma série animada, e cinco seriados para tv: A Série Classica (3 temporadas), Nova Geração (7 temporadas), Deep Space 9 (7 temporadas), Voyager (7 temporadas) e Enterprise (4 temporadas). As criticas pesadas ao último filme Star Trek:Nemesis (de 2002), e a baixa audiência do seriado Enterprise, que contava uma história 100 anos antes a série original, acabaram por enterrar a franquia em 2005, para desespero dos fãs que até doações em dinheiro fizeram para manter a serie no ar. Mas no competitivo mercado americano, quando um executivo diz não, então acabou mesmo...


Mas eis que em 2009 teremos o 11° filme da saga. Para muitos trekkers, os filmes impares sempre são um lixo, será que o diretor JJ Abrams, que no curriculo tem seriados como Lost, Alias,Fringe (dizem as más linguas, o 'novo' Arquivo X), o filme de mostros Cloverfield e o último (e melhor) filme de Missão: Impossivel, quebrará esse tabu ? Os trailers empolgam, e já vi muitas criticas positivas de nerds gringos que assistiram a exibições para a imprensa. E em Maio também acompanharei esse reboot da saga nos cinemas, aonde nenhum homem jamis esteve.
Mas espero que após lerem este post, deem mais uma chance a origem de toda a saga Star Trek, não com olhos preconceituosos de nerds que ainda dependem da mamãe até pra pegar ônibus, mas como pessoas situadas que mesmo não gostando de determinado genêro, sabem reconhecer a importância de tudo que ele criou.
Um abraço procês, até a próxima.

Reações: