Teste Teste Teste

comments powered by Disqus

sábado, 31 de março de 2012

RPG 4 Free: New Dragon

Olá, pessoal! Aqui estamos nós divulgando mais um sistema gratuito que navega pela grande rede. Desta vez, o escolhido foi um lançamento novinho em folha, fruto de iniciativa nacional. Trata-se do New Dragon, outro retroclone de Dungeons & Dragons, que no entanto, trata de adicionar algumas características próprias em vez de buscar seguir rigidamente o sistema original. De fato, esse mero fato já é o suficiente para que eu tenha dúvidas quanto a chamá-lo de "retroclone", efetivamente. 
O sistema usado é o d20 sob a licença OGL, mesmo, mas percebe-se algumas diferenças em relação ao D&D logo de partida, como o texto mais enxuto e conciso, o que permite em um único volume de 185 páginas termos uma extensa lista de Habilidades Especiais (Os "feats"), um sistema de combate descrito de forma sólida, uma longa lista de armas, armaduras e equipamentos com descrições para cada item, um sistema de magias e uma lista de feitiços caprichada... E ainda estamos só na metade do livro!
Outra das diferenças do livro é que ele (semelhantemente a Dragon Age RPG) apresenta apenas 3 classes iniciais, mas há a opção de uso das classes especiais (As "prestige classes"), que são mais outro capítulo à parte no livro.
Enfim, não consigo pensar pontos negativos para esta iniciativa. É um trabalho bem-feito, coerente (conseguiu até ressuscitar o velho conceito de Energia Física do Tagmar! Boa sacada!) e sólido! Ideal para quem, como eu, sente falta daquele clima do AD&D 2ª Edição (só faltou umas regras para psiônicos!).
O endereço oficial do sistema é: http://newdragonrpg.blogspot.com.br/, lá vocês podem baixar o PDF e ficar atualizados sobre quaisquer novidades.

quinta-feira, 29 de março de 2012

Pipoca Japa: Soul Eater

Soul Eater é um anime/mangá diferenciado. Ou nem tanto. Não pela temática ou pelo traço de Atsushi Okubo, mas pelo simples fato de ser um produto voltado para o público masculino, com uma protagonista feminina... que não é gostosa ! Sim, podem me chamar de machista mas se tem algo que não apela para o fanservice são mulheres magricelas como a heroina Maka Albarn, a artesã da foice.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Na Estante: Gundam Heavy Arms


Olá pessoal!

É, tenho comprado muitos Gundams ultimamente...

Após a "descoberta" da escala 1/100, meio que desisti da escala menor (1/144) dos Mobile Suits... Não adianta, essas figuras com cerca de 17cm de altura são impressionantes! Hoje falaremos de outro Gundam do OVA Gundam Wing: Endless Waltz, o Heavy Arms, pilotado por Trowa Barton (não, esse não será em vídeo, eu irei alternar esse tipo de review!).







Articulação

É bem redundante falar de articulações no caso de model kits, especialmente os gundams e mais especialmente ainda a escala 1/100... Mas de toda forma, as fotos falarão por si: O único porém fica para a articulação dos braços... Após a montagem (pelo menos pra mim) elas não são firmes o suficiente para segurar as duas armas...





Acabamento

Aqui cabe uma explanação mais detalhada. O H-Arms é mais bem acabado que o Deathscythe (apesar da diferença ser pouca), mas a diferença é pouca, mais voltada aos adesivos que são inclusos, gerando um acabamento aparentemente mais "bem cuidado". Mas até aí, as cores do Deathscythe não ajudam a ter adesivos, não é? Obviamente, as fotos promocionais chamam muito mais atenção pelo acabamento que podemos dar as figuras, mas isso já é de praxe.




Custo-Benefício

Tal qual todos os model kits, esse vale a pena também... Apesar da série Wing (especialmente o OVA Endless Waltz) não terem sido muito bem recebidos pelos fãs, o visual dos robôs é muito bom! O preço no Brasil, a meu ver, poderia ser melhor (até mesmo comparado com os da escala 1/144, que são meio salgados), mas até aí a dificuldade em achar essas figuras (que são de uma linha mais antiga) "justificaria" o preço. Claro que o fato de um Master Grade estar quase 300 dilmas também motiva pegar um desses mais antigos.


Conclusão


Irei me repetir: Model Kits são figuras para fãs. Seja pela complexidade (inicial) de se montar as figuras, seja pelo acabamento mais "simples"... Precisa ter muito "amor" para se colecionar esse tipo de figura, na minha opinião (até por que, apesar da qualidade de articulações ser maior, o acabamento de figuras já montadas tende a ser melhor). Mas, como sempre, recomendo a todos que sejam fãs da serie a adquirir o menos um model kit, pois vale a pena!

Gun-Ez (1/200 aprox), Heavy Arms (1/100) e RX 78 (1/144)

Mimimi: Por que colecionar?




Confesso que quase não teve o artigo essa quinzena...

Estava pensando em várias coisas para escrever, mas seria mimimi DEMAIS, até pra mim, e decidi que não iria me estressar escrevendo as linhas pra vocês (já que sempre temos um número legal de pessoas que leem a coluna...).

Quem vê pensa, né? A coleção estava tomando forma nessa época!
Sendo assim, decidi fazer mais um "Gambiarra Origins" e falar de coisas que me motivaram a ser quem sou. E lembrando de um tópico que abri no orkut (sim, lembrei e achei o tópico, junto com a poeira, morcegos e tudo o mais), revelarei para vocês por que comecei a colecionar.

Foto beeem desatualizada: DC Universe passa dos 50 actions!


Eu sempre gostei de miniaturas, mas praticamente nunca tive boneco original (os únicos que me lembro são um boneco dos Comandos em Ação, um Changeman e um do Jiraya) comprados pelos meus pais... Cavaleiros do Zodíaco? Pff... original só depois de adulto e trabalhando!

Lembro de ter uns cinco anos de idade e meus pais falarem que era besteira ou muito caro um boneco do He-man, por exemplo... Eu ia no mercado e ficava babando nas prateleiras de brinquedos... Quando pegava aqueles jornaizinhos, eu recortava a foto do boneco e ficava brincando com meu irmão!

E quando ganhei um Capitão América do Secret Wars? Nossa, foi um sonho! Era a figura que mais gostava, brincava e ia para todo lugar com ele... Acho que foi essa figura que fez com que o Capitão fosse um dos meus personagens preferidos...

Quando um vizinho meu roubou aqui em casa o meu, fiquei até doente- e meu pai "teve" que me dar outro: algo assim aconteceu quando achei que tinha perdido meu Changeman... Tadinha da minha mãe, eu fiquei tão doente que via até coisas: acha que ela era o Gyodai (sério, ela conta essa história até hoje!)
Sabia que esse vídeo serviria para alguma coisa um dia!

Fora que eu sonhei uma vez que abria a porta do meu quarto e ele estava forrado do chão ao teto com bonecos do Rambo (que fui e sou muito fã): sejam os bonecos e os veículos; quando acordei, corri para ver e foi a decepção. Quando arrumei meu quarto após casamento do meu irmão e meu guarda roupa ficou abarrotado de embalagens de bonecos, quase igual ao meu sonho, não aguentei- chorei no ombro da minha namorada (e hoje esposa)...

Colecão de Rockman... Um dos orgulhos!

Hoje tenho mais de 100 figuras (a maioria encaixotada pela falta de espaço) e, como vocês podem ver pelo Na Estante, muitas figuras são sonhos de infância atualizados: tenho bonecos do He-man, Tartarugas Ninja (as melhores do mundo), Final Fantasy 7... e, é claro, Capitão América (da Marvel Legends). Sonhos de consumo? Sim, ainda tenho, como um Leopard Gundam 1/100, e o Daileon original, mas sei que esses são bem difíceis de conseguir...

E antes que você venha me criticar por comprar as figuras, eu pergunto: você paga meu salário?Quita minhas contas? Não?

Ótimo.

terça-feira, 27 de março de 2012

Curta o Curta! - The Witcher 2

Olá!
Como vão?

Procurando vídeos e vídeos, essa semana foi difícil decidir qual deles trazer pra cá.
Enfim, depois de assistir este em particular, diversas vezes e encher os olhos com tanto detalhe, tanto capricho e também em consideração ao trabalho que quem o produziu teve ( ao todo foram 40 profissionais envolvidos), não tinha como decidir por outro.Ao menos não essa semana.
Talvez alguém até se pergunte, estaríamos nós fazendo propaganda para alguém?
Seria bacana mas não.
Esse vídeo é total contrapartida com meu vídeo de meu post de estréia (se ainda não viu, veja clicando aqui)

Confesso que nunca vi o game The Witcher ( erro meu?) mas este trailer me despertou certo interesse por sua sequência, The Witcher 2 - Assassins of Kings que é sem dúvida, ao menos no trailer, uma obra de arte.
O game, que é um RPG de temática adulta, é baseado no livro homônimo de Andrzej Sapkowski e sairá para XBox na segunda metade de Abril deste ano.

Assistam em alta definição se possível e encham os olhos.
Mais uma vez, boa diversão, obrigado e até semana que vem!
Grande abraço!


Pipoca: Jogos Vorazes




Estou surpreso com esse filme. Eu venho vendo faz um bom tempo seus livros à venda e com o hype todo pelo filme, mas realmente ele acabou me surpreendendo. Confesso que esperava um filme leve, mais juvenil, num tom semelhante às Crônicas de Nárnia e de repente me deparei com algo bem mais sombrio, ecoando obras como 1984 e O Sobrevivente. Ao adicionar ao mix adolescentes/crianças como protagonistas, temos já uma referência a O Jogo do Exterminador.


Born to be bucha.
A trama apresenta um futuro distópico em que os Estados Unidos foram divididos por um conflito interno e conseguiram recuperar sua união instituindo uma espécie de reality show brutal em que 24 jovens competem até a morte para... Hã... Matar os outros? Sobreviver? Serem os vencedores? Acho que isso, a motivação por trás dos tais jogos não ficou muito claro.
Como disse acima, esse filme é uma obra bem mais sombria e pesada do que as Crônicas de Nárnia. A mera premissa de uma competição até a morte entre crianças e adolescentes já me parece exageradamente apelativa, e algumas dessas mortes são brutais demais. O tipo de coisa que eu entenderia ver num filme do Schwarzzenegger, mas que me parece gratuito quando mostrado com atores que nem têm idade para beber, ainda.
Fora isso, passando para o lado técnico do filme, ele me pareceu ter uma duração maior do que deveria. Certas cenas parecem ser mais alongadas do que deveriam. Talvez seja reflexo de tentar adaptar as passagens da forma do livro, não sei pois não li o livro, mas acabou funcionando apenas para deixar certas partes arrastadas demais.
Quanto às partes de ação, está bem longe de estar arrastado, felizmente, embora em minha opinião elas pudessem ter saído melhores com uma filmagem mais firme, sem a câmera chacoalhando o tempo todo, mas aí já é gosto meu, não propriamente um defeito.
Enfim, é um filme até que legal, mas o que acabou sendo chocante demais, de maneira até gratuita, foi essa combinação das três obras de referência mencionadas acima, que são, a rigor, obras críticas, uma com mensagem contra o totalitarismo, outra com mensagem contra a sociedade acorrentada a um entretenimento "pão e circo" e o outro com uma mensagem anti-militarista. Legal, até aí beleza, gosto de cada uma dessas obras, cada uma em seu campo. Mas nenhuma delas foi vendida como obra voltada ao público infantil, né? A impressão que fica é que ao misturar tudo isso e lançar como filme infanto-juvenil, em vez de termos um comentário CONTRA a ditadura do entretenimento, temos isso sim, um EXEMPLAR desse tal entretenimento. Será que no fim das contas acabamos nos tornando a própria sociedade que é a audiência de O Sobrevivente?

Trailer do filme:

domingo, 25 de março de 2012

PUNHOS DA FÚRIA: Kick Boxing vs Kung Fu


ROUND #2 FIGHT!!!

Em minha passagem da infância para a adolescência, nossa família estava um pouco atrasada tecnologicamente , mas enfim, nos meados dos anos 90 meu pai comprou nosso primeiro vídeo-cassete de 2 cabeças e fizemos nossa carteirinha na locadora perto de casa. Coincidentemente ou um acaso maquiado de carma, estávamos passando por uma transição no gosto dos brasileiros por filmes de luta.

Aquela era o reino do Kick Boxing e seu rei era Jean Claude Van Damme, protagonista dos filmes mais "bem produzidos" sobre o tema na época, dentre eles: Kick Boxer o Desafio do Dragão, O Grande Dragão Branco, e Leão Branco.

Mas na locadora que frequentávamos, havia uma seção, (entenda prateleira, pois a locadora era minúscula) reservada apenas para filmes desse gênero, ou seja, quase todos levando Kick Boxing ou Kick Boxer no título!

Assisti todos os filmes disponíveis, incluindo os mais "toscos" do Van Damme, e que eu adorava e hoje tenho até o DVD de alguns, como Duplo Impacto e Cyborg.


Mas esses filmes ainda eram bons se comparados a quantidade de filmes que vieram na esteira do sucesso dos filmes de Van Damme. Um exemplo é a sequência, a franquia Kick Boxer, que no Brasil tinha o o complemento desnecessário, mas "obrigatório" para chamar a atenção do público: "O Desafio do Dragão" e o animal mitológico chinês era incluso em quase todos os títulos nacionais desde a era Bruce Lee.

Assim como um gladiador que era derrotado na arena, Bruce Lee havia tombado, por motivos que não tinham haver com sua popularidade, sua técnica ou a de seus filmes, infelizmente eles nos deixou órfãos e seu substituto como campeão da massa nas telas foi inevitavelmente o baixinho halterofilista, carateca bailarino: Van Damme. Até então eu era um conhecedor imberbe de artes marciais, mas infelizmente essa era a realidade.
Além das sequências horrorosas de Kick Boxer, houve outro fato que começou a me afastar de filmes com esse tema: a famigerada "Sessão KickBoxer" exibida pela TV Bandeirantes! Muitos podem achar que foi a época áurea das Artes Marciais televisivamente falando, mas foi nessa época que comecei a praticar artes marciais e também comecei a perceber as "falhas" principalmente no que tange as coreografias e "impacto" dos golpes. A cada 10 filmes, apenas 1 talvez me parecia bem feito. Mas isso iria mudar quando resolvi alugar uma fita mais antiga:



Nessa época resolvi começar uma busca por filmes descentes e que levassem as artes marciais mais a sério, foi então que fiz carteirinha em outras locadoras maiores e mais distantes do meu bairro. Foi então que encontrei o caminho das pedras, a tortuosa escadaria que levava ao templo e exigia do candidato a entrar nessa vida, um alto custo (financeiramente falando mesmo), pois a quantidade de filmes que habitavam as prateleiras dessas locadoras era quase infitina! E foi então que aluguei meu primeiro filme Chinês!!! (claro que já tinha visto os filmes do Bruce Lee, mas não sabia que quase todos tinham sido feitos na China, pois eram dublados em inglês).



Um dos primeiros filmes que aluguei foi Tai Chi Master, ou simplesmente Tai Chi, na primeira tradução brasileira (isso já me agradou, pois eles não acrescentaram nada relacionado a Dragão mesmo sendo filme chinês).E minha cabeça explodiu! Fiquei maluco com a velocidade das coreografias, golpes diferentes das giratórias voadoras em câmera lenta e closes na hora que o golpe acertava, mostrando que de fato o golpe acertava e a técnica pra deixar isso mais evidente era a "poeira" que subia dos golpes e a sonoplastia de uma tábua batendo na outra. Essas características clássicas dos filmes chineses foram o que mais me atraíram pra esse mundo, então comecei a ver todos os filmes do Jet Li e Jackie Chan, Mas infelizmente era só isso que tinha nas locadoras e alguns outros filmes mais genéricos de atores que tentavam ser como os dois citados. Estratégia comercial pura, assim como usar o nome Kick Boxer nos filmes americanos.Os filmes chineses eram (ou ainda são) considerados filmes "mentirosos" pelo grande público mas isso se dá a um único aspecto que embora marcante pode depor contra o estilo que é a utilização de cabos para fazer os atores e dublês saltarem e voarem mais longe com os golpes. Um episódio recente para ilustrar é a relação de amor e ódio que existe com o filme O Tigre e o Dragão, (olha o dragão aí de novo), em que a técnica dos cabos foi usada largamente, mas mesmo assim ressuscitou o estilo e trouxe os filmes chineses novamente para o MainStream.

Confesso que o uso dos cabos realmente me incomodam quando usados excessivamente, mas mesmo com a escassez de mais opções, já que tínhamos só filmes de Jet Li e Jackie Chan e seus imitadores, conseguia selecionar aqueles que eram os melhores e passei a idolatrar filmes como Mestre Invencível 2 (Drunken Master 2) e Lutar ou Morrer (Fist of Legend) em que os embates eram quase 100% sem a utilização dos cabos. Além disso, tenho que exaltar a excelência inigualável dos dublês chineses. Golpes reais, quedas de grandes alturas, quedas em cima de objetos sólidos e perfuro-cortantes, etc. Isso é sinônimo de que não só os atores, mas também os dublês eram feitos de rocha, mas que mesmo assim ainda geravam acidentes feios e hospitalizações como podemos ver nos clássicos making-off's exibidos nos créditos dos filmes do Jackie Chan.


Conclusão
Passei a conhecer mais os filmes chineses quando aluguei um documentário sobre atores famosos no oriente, incluindo os já aqui citados, mas também os não tão conhecidos assim: John Liu, Casa Nova Huang, Bolo Young (o Chong Li de o Desafio do Dragão) entre outros artistas marciais espetaculares, cujas habilidades extraordinárias foram responsáveis por transpor seus combates nos ringues, tatames e arenas da vida real para as telas.

Não quero influenciar ninguém, e acho que nem precisaria, mas o resultado desse embate está mais do que claro pra mim, sendo assim espero o comentário de vocês para saber quem vence.

sexta-feira, 23 de março de 2012

FLIPERAMA MOBILE: MASS EFECT INFILTRATOR








Fala galera, já que mostramos as novidades no ultimo FLIPERAMA MOBILE, vamos ver após o lançamento se o Hype valeu à pena. Hoje vamos cruzar o universo e falar de Mass Effect !


Mass Effect Infiltrator lançado exclusivamente para IOS (Em uma versão universal para Iphone e Ipad) é uma historia paralela complementando o recém lançado para consoles Mass Effect 3;


Os gráficos são excelentes não deixando a desejar comparado aos grandes consoles.
Você vai conquistando pontos que podem ser trocados por armas e poderes temos a opção de  exportar  para seu save via “Origin” (rede social da EA Estúdios).


O ponto mais negativo é a jogabilidade, alguns outros FPS mantém um ótimo controle de movimentos no Tablet (versão a qual eu joguei) contamos com o famoso “murinho” e poderes como jogar o inimigo longe ou objetos neles, campo de força muitos já conhecidos dos antigos jogos da serie.

                         

Sua mira a qual temos que tocar na tela para travar e assim poder atirar em um ponto fixo sendo assim esse trabalho atrapalha  a imersão por confundir e não dar opção de controle contra mais de um inimigo no cenário. 


O movimento de controlar com um dedo e clicar na tela para travar confunde muitas vezes sua estratégia,resumindo um jogo de "tiro" que não te da liberdade para atirar,porem com o tempo conseguimos “acostumar” e curtir um pouco mais o jogo.




Não espere um jogo muito extenso em mais ou menos umas 4 a 5 horas você consegue terminar o jogo com um bom nível de armas e poderes. 
Quem sabe uma futura atualização nos traga mais missões e um modo MULTIPLAYER ON LINE.

 Mass Effect Infiltrator custa US$7  pesa 630 MB, necessita de IOS 3.0 ou superior, e pode ser encontrado aqui
Lembre-se que é preciso uma conta americana para poder baixá-lo.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Pipoca: Gokaiger vs Gavan



Uma franquia de 35 anos que anos que a cada ano vem sendo renovada. Uma franquia de 30 anos que há muito tempo não é revisitada. Um crossover imaginado somente na mente dos fãs mais ardorosos. Lançado nos cinemas nipônicos em Janeiro desse ano, a Toei expandiu sua homenagem aos super sentais para uma homenagem aos Tokusatsus de uma forma geral.

Apesar de parecer simples, Kaizoku Sentai Gokaiger vs Uchuu Keiji Gyaban é um "média-metragem" que deixa os fãs satisfeitos, apesar de um gostinho de quero mais. Tudo começa com os piratas sendo perseguidos por uma nave um tanto estranha. Mas as habilidades piratas de Marvellous conseguem despistar o inimigo... Até que um dragão mecânico derruba o Gokai Galeon na baía de Tóquio! Nossos heróis são confrontados por um homem, de armadura metálica, que os acusa de atos de pirataria. Quando os Gokaiger se recusam a se render, o Policial do Espaço Gavan os rende com extrema facilidade, levando-os sob custódia. A sentença a ser executada é a morte!


Com essa premissa até que simples, o filme segue de uma forma muito rápida. Não se demora para o grande vilão aparecer e os heróis se unirem, mas não ficam (muitas) pontas soltas. As lutas são bem coreografadas e há várias referências a outros sentais, graças ao "otaku" Gokai Silver. Entretanto, é realmente digno de nota a participação de Kenji Ohba, o intérprete do policial de espaço: é simplesmente impressionante o vigor físico do ator, que além do policial interpreta mais dois personagens vividos por ele: Denzi Blue (de Denziman) e Battle Kenia (de Battle Fever J). As cenas de batalha que envolvem Gavan destransformado dão gosto de ver, com ponto extremamente positivo em incluir o policial como um elemento determinante da história do capitão Marvellous!


Há ainda várias pequenas homenagens a tokusatsus em geral... Seja pelo vilão com poderes similares ao herói, seja por várias pequenas nuances que aparecem...

É tudo muito emocionante (especialmente os créditos). Porém...

Pelo tempo, o filme caberia mais como um episódio duplo de Gokaiger do que necessariamente um filme para cinema. Apesar de ser relativamente bem explicado, falta mais tempo de filme para que o fator "ohmeudeusquecoisaincrivel" pudesse fazer mais efeito.

Por favor, não reparem no "treiller" do título... -_-

Apesar de fazer os fãs delirarem, não fará com que a galera que não conhece metal heroes se interesse muito, e mesmo os fãs de super sentai podem achar meio "forçado" como as coisas se desenrolam (confesso que fiquei meio "brochado" com o final do filme). Mas as pequenas nuances já citadas valem a pena uma conferida (principalmente o tema do Gavan tocando no início da luta final!).
Recomendado para quem é fã. Se você é da geração Power Rangers, melhor nem assistir.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Gambiarracast #3: Momentos Tokusatsu


Fala galera!


Pelo menos conseguimos lançar dois podcasts na periodicidade proposta (vamos ver até onde a gente consegue manter, hehehe)!

terça-feira, 20 de março de 2012

Curta o curta! - Vincent

Eis que estou tranquilamente batendo papo pelas internets da vida quando me surge um convite: trazer um post semanal do meu extinto blog aqui para o Gambiarra's...
Depois de deliberar alguns milésimos de segundo, aceitei.

Pois bem, a parte que me cabe aqui, a partir de hoje e todas as outras terças se a Nossa Senhora da Internet permitir é trazer vídeos de curta metragem divertidos para entreter a todos que por aqui passam as vezes ou vem aqui todo dia!

Antes de tudo, quero agradecer o convite da Jéssica e a permissão do meu chefe Diogo para fazer parte do blog ( se o senhor espirrar, saúde) e procurar realmente trazer videos com alguma história, relevância ou no mínimo, qualidade.

Achei por bem começar com um que foi produzido por Tim Burton ( sim, aquele da Noiva Cadáver).
Nota-se claramente que o estilo de animação que ele  produz tem um aspecto peculiar que permanece a cada nova aminação que ele realiza.
Este é do ano de 1982 portanto, 30 anos que foi concebido.
É em stop-motion, preto e branco e todas suas frases são rimadas.

Pra quem ainda não viu ou vai rever, boa diversão!
Nos vemos semana que vem!


segunda-feira, 19 de março de 2012

Pipoca: Motoqueiro Fantasma 2

Olá, pessoal! Aqui estamos nós de novo, desta vez com o segundo filme do Motoqueiro Fantasma. Antes de iniciarmos, creio que seja válido deixar claro que NÃO vi o primeiro filme do crânio flamejante e não tenho a menor ideia de como um se compara ao outro com relação a história, produção, efeitos, etc... Mas sei que ambos têm Nicolas Cage no papel principal, que por sua vez é um super-herói do segundo escalão da Marvel, então não mentirei, minha expectativa não foi nem um pouco boa.
E, infelizmente, o filme acaba cumprindo as expectativas negativas. Temos um Nicolas Cage com atuação exagerada e caricata (sério, com momentos bem Jim Carey, mesmo), um enredo batido (o filho do demônio vai ser sacrificado para que o demônio aumente seus poderes e caminhe sobre a Terra com forças renovadas. Já vi isso TANTAS vezes nos anos 90...), uma reviravolta "surpreendente" de última hora... Basicamente? É o Constantine, só que com mais fogo e explosões.
A tal escavadeira gigante, para os curiosos.
Agora, pra não parecer velho chato, tem algo de positivo? Bom, temos os efeitos especiais, realmente muito bons. Graças a esse filme eu finalmente vi uma escavadeira BWE (um dos maiores tipos de máquina DO MUNDO) em movimento. E em chamas. Ah, e também o fato que o filme acaba não deixando necessidade de ter visto o filme anterior, uma vez que ele dá um belo recordatório em forma de desenho semi-animado no começo do filme. O que mais? O filme traz de volta do limbo hollywoodiano o saudoso Christopher Lambert (praticamente irreconhecível sem uma olhada no IMDB ou na Wikipedia). E o último ponto positivo: O ARROZ DE FESTA do Stan Lee não aparece (pra variar, né?).
Por fim, no geral, a opinião que fica é essa: filme previsível e descartável, não fará a menor diferença na sua vida tê-lo visto (nem mesmo a tal escavadeira em chamas foi TÃO interessante assim, vai...).

Trailer dessa obra de... Hã... Arte?

quinta-feira, 15 de março de 2012

Gambiarra da Semana



E retomando a essa coluna que nunca devia ter saído, apresentamos o volante caseiro do Need For Speed. Um gênio mal aproveitado.




Link enviado pelo Rodrigo Olem, amigo lá do Conjunção.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Mimimi: Podcastólatra e Síndrome do Intestino Irritado (???)

Olá pessoal! E começa mais um mimimi aqui no Gambiarra, com a nova rotina de coluna+podcast (tô lascado). Hoje farei mais um desabafo, mas com um pouco mais de conteúdo pra vocês dessa vez.

domingo, 11 de março de 2012

PUNHOS DA FÚRIA: Bruce Lee vs Jet Li vs Donnie Yen, que é o melhor Chen Zhen?


ROUND #01: FIGHT!!!

Esse monte de posts no Gambiarra me incentivou a terminareste que foi o mais trabalhoso entre todos (os 4) que postei até hoje!!! E eleinaugura a minha coluna semanal que terá o título inspirado no tema de hoje: PUNHOS DA FÚRIAAAAA!!!!


Sendo assim, vamos nessa:
Mas afinal, quem foi Chen Zhen? Se você for um true-mother-fucker-fan de filmes de artes marciais talvez saiba, masse for daqueles que curtem filmes de porrada pelo simples fato da violência e nãose apega muito a detalhes vai descobrir um pouco sobre esse fantásticopersonagem neste humilde post.

Diria talvez o mais marcante de todos os personagens docinema de filmes de kung fu de todos os tempos. Isso se deve a uma história quecaminha entre o real e o fictício e mais ainda: - Por ter sido interpretado porgrandes artistas marciais/atores do cinema de Hong Kong.
Chen Zhen infelizmente não existiu de verdade, foicriado pelo escritor de Hong Kong, Ni Kuang e apareceupela primeira vez no clássico Fist of Fury de 1972, estrelado pelo mestre Bruce Lee(lançado no Brasil com o nome de A Fúria do Dragão).

Nos filmes, Chen Zhen é retratado comoum aluno do mestre Huo Yuanjia, fundador da Chin Woo Athletic Association(também conhecida como Chin Woo Faculdade ouEscola Jingwu).


Chenfoi estudar no Japão em plena época da guerra entre China e Japão e interessanteressaltar que Huo Yuanjia realmente existiu e sua escola foidifundida pelo mundo e o estilo de kung-fu perdura até os dias de hoje. Ahistória do mestre e da fundação de Chin Woo foi contada no maravilhoso filmeMestre das Armas de Jet Li.


Chen Zhen fica sabendo da morte do mestre e volta para suacidade natal, lá desconfia da morte de seu mestre que era imabativel emcombate e ivestigando descobre que seu mestre foi envenenado a mandodos japoneses. Estes japoneses são intimamente ligados ao exército esediam-se em um dojo no Distrito Hongkou, Xangai. ChenZhen procura levar os assassinos à justiça e embarca em umamissão para vingar Huo Yuanjia e reviver o legado deseu mestre, o "Espírito Jingwu", já no filme interpretadopor Jet Li, o mestre também foi envenenado, mas morreu ainda em combate com umprofessor do dojo de karatê.

Posteres dos filmes de Bruce Lee, Jet Li e Donnie Yen

A partir desse filme,Chen Zhen tornou-se objeto de inúmeros filmes e sériesde televisão, incluindo remakes e adaptações de Fistof Fury. Muitos notáveis ​​atores/artistas marciais decinema têm retratado Chen Zhen, incluindo Bruce Lee, Jet Li e Donnie Yen. A história deChen Zhen pode variar de acordo com as adaptações,mas quase todos acabam por conduzir a sua missão finalpara vingar Huo Yuanjia e compartilha um final semelhanteao Fist of Fury, contando sempre com a cena icônica da luta contravários oponentes no dojo de karatê dos assassinos de seu mestre e a volta pracasa de Chen Zhen carregando a placa do dojo (para quem entende um pouco deartes marciais sabe que isso é um símbolo de desonra para a academia e seus seguidores).

Pesquisando um pouco mais, descobri que Chen Zhen aparentemente foibaseado em Liu Zhensheng, um estudante real de Huo Yuanjia, quese destacou pelo espírito de liderança e militância contra o regime japonês e que possuía técnicas extremamente apuradas sendo o sucessor imediato de mestre Huo.
_________________________________________________________________

Spoiler Alert: Não leia isso se ainda não assistiu aos filmes!!!
No final de Fist of Fury, temos anítida impressão de que Chen Zhen morre, ao se deparar com um batalhão da polícia na porta da delegacia e ele dá o famoso salto das escadas aplicando uma "voadora" e após a imagem se congelar, escutamos apenas o som dos disparos das armas de fogo. Porém no filme interpretado por Jet Li, Chen Zhen simula sua morte para poder fugir e no filme de Donnie Yen, acompanhamos o que supostamente aconteceu com Chen em seu refúgio usando pseudônimo e um bigodinho pilantra!

_________________________________________________________________
Curiosidades:

Donnie Yen como Kato
Durante a estréia de Legend of the Fist: The Return of Chen Zhen, em setembro de 2010, Donnie Yen foi questionado por repórteres sobre como seu personagem era diferente em comparação com as versões anteriores do Chen Zhen.
Yen respondeu que havia diferenças significativas, e deu a sua definição do personagem - "Chen Zhen é Bruce Lee". Ele disse que a imagem de Chen Zhen foi criada por Bruce Lee em Fist of Fury (1972), e pessoalmente ele é um fã de Lee.

Kato e Green Hornet dos 60's

Ele explicou ainda que certas características de seu personagem foram herdadas de Bruce Lee, como o terno de Mao branca usada por Chen Zhen e o uso dos clássicos nunchakus.


Legend of the Fist: The Return of Chen Zhen presta homenagem a Bruce Lee, Yen decidiu manter o terno Mao branco e o uso de nunchaku, bem como repetindo bordão famoso Chen Zhen, "O povo chinês não são homens doentes do leste! (“Homens doentes da Ásia” na tradução/adaptação para o português), além de usar o mesmo tipo de “kiai” de Bruce Lee, os famosos “gritinhos”.
Neste filme, Yen também veste a roupa de Kato, Sidekick doBesouro Verde na série dos anos 60 em que Bruce Lee debutou nas telas interpretandoo mordomo/guardacostas do herói Dick-Traceano.


Mas o que foi produzido sobre Chen Zhen? (não reparem em algumas traduções toscas, pois usei como fonte a Wikipedia em inglês).


Cinema:
Fist of Fury (精武门), um filme estrelado por Bruce Lee1972 como Chen Zhen. Esta foi a primeira aparição de Chen Zhen na mídia.

Fist New of Fury (新 精武门), uma sequênciade 1976 a Fist of Fury. Neste filme, a noiva de Chen Zhen (interpretadapor Nora Miao) encontra um jovem rapaz de Taiwan chamado Lung, interpretado porJackie Chan, que vai se tornar o sucessor de Chen Zhen.

Fist of Legend (精武英雄), um filme de1994 estrelado por Jet Li como Chen Zhen. No filme, Chen Zhen lutou parasalvar a reputação de Jingwu após a morte de Huo Yuanjia. Ele derrotou umgeneral japonês que era responsável pela morte de seu mestre e escapou deXangai.
Jovem herói (少年 陈 真) 2004 filme estrelado por Tsui Siucomo um jovem Chen Zhen Neste filme, Chen Zhen resgata uma princesaManchu, começando uma aventura em que ele ajuda a princesa e um combatente daresistência chinesa (interpretado por Yuen Biao) a se defenderem dos japoneses.

Legend ofthe Fist: The Return of Chen Zhen ( 武风云 - ), um filme estrelado por Donnie Yen2010 como Chen Zhen. Neste filme, Chen Zhen deixa a China paraajudar os Aliados a atacar os alemães na França durante a Primeira GuerraMundial depois de vingar seu mestre Huo Yuanjia. Ele volta para a Chinadepois da guerra para se juntar a um movimento clandestino de resistência emXangai em parar os japoneses de invadir a China.


Televisão:
A Legendary Fok (大侠 霍元甲), uma série de televisão de 1981,baseada na história de vida de Huo Yuanjia.

O Punho (陈 真), uma sequência de 1982a The Legendary Fok. Bruce Leung reprisou seu papel como Chen Zhen com umnovo enredo. Nesta produção co-estrelou Candice Yu, Lau Wai-man, ChoiKing-fai e Bill Tung. Nesta versão, Chen Zhen se torna um criminoso procuradoapós vingar Huo Yuanjia. Com a ajuda do prefeito de Xangai, ele consegueescapar por fingir a própria morte e se muda para Pequim com o filho Huo, ondelevou uma vida reclusa com novos nomes. A identidade de Chen é finalmenterevelada quando ele entra em conflito com o oficial japonês Sato.
Fist of Fury (精武门), [1] uma série de televisão de 1995 baseada no filme de1972 de mesmo título, produzida pela ATV e estrelada por Donnie Yen como ChenZhen.
Chen Zhen (陈 真 后 传), de 2001, sériede televisão chinesa que conta a história de Chen Zhen após a morte de HuoYuanjia. Bruce Leung tocou Chen Zhen. O elenco de apoio inclui EleQing, Ding Haifeng, Chen Baoguo, Shen e Jin Junyi Qiaoqiao.
The Legend of Huo Yuanjia (霍元甲), umasérie de televisão da China em 2002 que se centra na história de Huo Yuanjia, aacademia de Chen Zhen.

Jingwu Yingxiong Chen Zhen (精武英雄 陈 真),uma continuação de 2002 para The Legend of Huo Yuanjia.

Huo Yuanjia (霍元甲), um remake de 2008de The Legendary Fok. A cena de luta no último episódio e o final é umareminiscência de Fist of Fury e as adaptações anteriores.

Jingwu Chen Zhen (精 武 陈 真),uma continuação de 2008 para Huo Yuanjia. Jordan Chan reprisou seu papelcomo Chen Zhen.

Origens:

Sei que o post ficou longo, mas tinha muita coisa pra falar desse personagem e ainda não tive tempo de me aprofundar nas referências usadas por Bruce Lee ao mestre Yp Man que também ganhou 3 filmes mais recentes, sendo 2 interpretados por Doniie Yen.
Yp e Lee
A história "real" que inspirou o combate contra vários karatecas nos filmes de Chen Zhen:

Mas e o embate proposto? Bem acho que para poder opinar sem ser injusto ou saudosista demais e dizer que igual ao Bruce Lee não existe, vejam abaixo a cena clássica do combate de Chen Zhen interpretada pelos três super artistas marciais que ilustram o banner desse post:

Fist of Fury: Bruce Lee

Fist of the Legend: Jet Li


Lengend Of the Fist: Return of Chen Zhen: Donnie Yen

Concluindo, acho que todos são ótimos filmes e não consigo escolher o melhor, isso porque seria uma heresia dizer que qualquer artista marcial é melhor que Bruce Lee, mas ao mesmo tempo seria injusto falar que um filme dos anos 70 com um orçamento medíocre, atores coadjuvantes e dublês toscos são melhores que uma super produção dos anos 2000 com os recursos de Return of Chen Zhen, e o que está no meio deles, o filme do Jet Li, é nada mais nada menos do que meu filme favorito desse espetacular artista marcial.

Então deixo para vocês se digladiarem nos comentários e definirem qual dos três é o melhor Chen Zhen (pensem no personagem e não no que o ator representa hein?).


Valeu e... K.O!!!

sábado, 10 de março de 2012

Pipoca: John Carter: Entre dois mundos

Olá, galera! Cá estamos com mais um filme que realmente chegou como uma surpresa para mim! Nunca esperei que veria um filme do "Super-homem marciano" de Edgar R. Burroughs realizado por um grande estúdio como a Disney! Menos ainda esperava que ele fosse tão proveitoso para alguém que (como eu mesmo e como o espectador médio) não tivesse tanto conhecimento sobre o personagem.
E do que trata a história? Bom, o titular John Carter é um ex-capitão do exército confederado americano que após a guerra civil tenta ganhar a vida em busca de ouro e se esquivando da lei. Durante um atrito com oficiais que escala para um atrito com índios, Carter busca refúgio em uma caverna onde subitamente surge um estranho que o teleporta para um vasto deserto desconhecido onde Carter se descobre capaz de saltar distâncias monstruosas com esforço mínimo.
Carter acaba sendo capturado por uma raça guerreira nativa (os Tharks) e se envolve por acaso na guerra civil entre os humanos de Zodanga e Helium. Ok, menos por "acaso" e mais por morena bronzeada de olhos azuis e trajes mínimos.
Enfim, Carter envolve-se em uma aventura em que sua recém-descoberta super-força será usada para levar paz a Barsoom (como os nativos chamam o planeta que conhecemos como Marte), conquistar a garota e voltar para a Terra. E sinceramente? Ainda não li a história que originou o filme (Uma princesa de Marte), mas se for pelo menos metade daquilo que ficou no filme, já fico impressionado de ver que ideias tão avançadas já estavam em uso lá por volta de 1912!
De fato, com esse filme vemos como John Carter é uma influência não mencionada para MUITA coisa da cultura pop. Por exemplo, os super-saltos e a super-força de Carter ao chegar em Marte são EXATAMENTE os mesmos poderes que o Superman apresentava na época de sua criação; a divisão de marcianos entre verdes, brancos (e vermelhos), que vemos na histórias de Jonn Jonn'z, o Caçador de Marte, da DC Comics, também vem daqui. Outro personagem espacial da DC (muitas vezes esquecido) que tem uma grande influência de Carter é Adam Strange, sempre em trânsito entre a Terra e o planeta Rann. Os exemplos são muitos e se eu me estender neles acaba dando outro post. O que resta dizer é que saiu um belo filme de ação e fantasia (nem TENTEM chamar de ficção científica) que por sinal é o mais sangrento e violento que já vi sair dos estúdios Disney (há até DECAPITAÇÃO na tela!). Não deixem de ver!

Trailer da obra:

quinta-feira, 8 de março de 2012

Na Estante: Liga da Justiça - A Nova Fronteira


E aí galera do Gambiarra's Blog, sou o Müller (como vocês provavelmente podem ler) e a partir de hoje faço parte da galera do site, quem curte Comics e relacionados pode ficar de olho nos meus posts.


Bom, quero recomendar algumas coisas bacanas para se ter na estante, hoje vou começar falando sobre a animação "Liga da Justiça: A Nova Fronteira". O que ninguém pode negar é que em matéria de animação a DC Comics tem uma qualidade de excelência, graças às mãos do maestro Bruce Timm que em 1992 trouxe seu talento à Warner com a produção de Batman: The Animated Series, de lá pra cá a DC tem se destacado nas animações, quase sempre com a produção ou direção do artista.

Sem mais delongas vamos falar sobre a excelente animação:

Traço:

O traço da animação é definitivamente algo a se reparar, afinal essa é uma das poucas animações que mantém seu traço fiel ao original, temos aqui o traço simplista e fantásticamente fodástico do mestre Darwyn Cooke, a quem eu pessoalmente, venero como artista, seu traço cartunesco, aqui nessa obra ajuda perfeitamente a remontar a Era de Ouro.

Enredo:

Baseado nos quadrinhos "DC: A Nova Fronteira" que a Panini lançou aqui em 2006, também de Darwyn Cooke, o enredo da história nada mais é que uma grande homenagem ao Universo Dc como é conhecido, ou era conhecido antes do Reboot, e uma homenagem à transição entre era de ouro e era de prata dos quadrinhos.

Em meio a um clima pós-guerra do Vietnã e em plena guerra fria, temos que os Super-heróis não são mais pessoas aceitas pela sociedade, com os heróis da era de ouro sendo acusados de comunistas, entre outras coisas, o único instrumento usado pelo governo americano era Superman, que como uma espécie de guardião da paz, ao mesmo tempo em que a Mulher-Maravilha marcha por uma espécie de revolução feminina. O piloto militar Hal Jordan recebe de Abin Sur um anel que lhe transforma em Lanterna Verde, Barry Allen está em crise sobre ser ou não o Flash. Enquanto isso Batman e Jonn Jonzz (O Ajax) se envolvem em uma investigação contra um organismo alienígena que enlouquece a alguns de seus "seguidores". Quando esse organismo, denominado de "O centro" resolve levar à extinção a espécie humana, esses e outros heróis e Super-heróis da Terra resolvem se juntar para dar fim à criatura. Enfim existem diversas e interessantes subtramas e sutilezas na história, que só assistindo (e lendo) para apreciar em sua magnitude.

Trailer:

Por uma questão de sacanagem "legal" do ECAD (que o MDM e o Califrafitti explicam) não postarei diretamente o trailer, para -lo clique na imagem abaixo:


Dados do DVD

Vozes: Kyle MacLachlan (Superman), Lucy Lawless (Mulher-Maravilha), David Boreanaz (Lanterna Verde), Neil Patrick Harris (Flash) e Jeremy Sisto (Batman).
Estúdio: Warner Home Video
Título Original: Justice League: The New Frontier
Ano: 2008
Direção: Dave Bullock
Recomendação: livre
Região do DVD: Região 4
Legendas: Inglês, Português
Dublagem: Inglês/ Português
Formato de tela: Widescreen



Preço por aí: A Partir de R$ 14,87 (Preço pesquisado em 09/02/2012)


Dados dos Quadrinhos

Bom, não poderia sugerir esse filme sem sugerir a leitura dessa excelente história, uma das melhores que já lí, com toda certeza, aqui no Brasil a série foi lançada em dois volumes, conforme abaixo:

Título: DC: A Nova Fronteira
Editora: Panini Comics
Autores: DARWIN COOKE & DAVE STEWART
Ano: 2006
Acabamento: Brochura
Formato: Médio
Volumes: 1 e 2
Preço de Capa: R$ 25,90 cada volume.