Teste Teste Teste

comments powered by Disqus

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Estrogênio: Jem e as Hologramas


Olá flores gentis! Estrando minha coluna, que vai trazer um pouco de "cor-de-rosa" pra este blog tão masculino. Aqui falarei de coisas feitas por meninas, para meninas, de meninas. O que não significa que algum post terá qualquer tipo de teor feminista. Não, não. Não sou muito chegada a "istas" e "ismos", quando eles impõem que certos comportamentos são errados por serem diferentes dos deles.

E para estrear com chave de ouro, vamos de Jem e as Hologramas! Exibido aqui no Brasil entre 88 e 91, é um dos mais cor-de-rosa dos desenhos animados que eu já vi. Mas cor-de-rosa com estilo! Conta a história de Jerrica Benton, uma jovem milionária que mantém um orfanato para garotas e é empresária de uma banda de rock (aquele rock-pop dos anos 80), e seu alter ego, Jem, estrela e vocalista da banda.
Jem, a cantora

Jerrica, a empresária

Jerrica decide montar a banda para angariar fundos para o orfanato, que visa ensinar e instruir as orfãzinhas por meio da música. Enquanto Jerrica, a jovem é loira e um tanto mais comportada. Já como Jem o rosa impera e ela usa uma peruca enoooorme da mesma cor e maquiagem colorida e berrante, tudo no melhor estilo New Wave oitentista.


Na verdade, como a maioria das animações da época, Jem e as Hologramas foi feita para vender as bonecas, que foram idealizadas pela Mtv americana no começo da década de 80. A ideia era atrair mais ainda o público feminino adolescente, já que a emissora já era amada pelos jovens na época. Então os produtores da Mtv foram até a Hasbro (sim, A Hasbro, a gigante no mundo dos brinquedos) e apresentaram desenhos do que seria a boneca. O que deu muito certo, já que muitas bonecas foram produzidas e vendidas, assim como outros produtos como sabonete, livros, cadernos e afins. A série de tv, feita pela TOEI, veio para divulgar a boneca, que vinha com uma fita cassete com as músicas da série. Porém, em pouco tempo, as bonecas pararam de vender e travaram no estoque, fazendo o programa ser cancelado no ano seguinte do seu lançamento, em 1987.




Eu me lembro pouco da história. Tinha bastante romance e aventura com uma levada futurista. Mas o mais incrível eram as músicas, todas traduzidas e bem cantadas. E todas tinham a ver com a situação do episódio do dia. O desenho tinha uma trama bem armada, uma história típica adolescente, com seus amores mal resolvidos, as amigas e as rivais (um outro grupo musical de bad girls)







O pior de tudo é que é bem difícil achar para reassistir. Não se acha um link confiável pra baixar, não tem DVDs à venda nem uma previsão certeira de que vá ser reapresentado na tv brasileira. A Fox Kids transmitiu um compilado com os primeiros 5 episódios, porém redublado e com as músicas originais em inglês. O autor da série Christy Marx, também autor das séries Transformers e GI-Joe dos anos 80 até tentou reexibir a série ou fazer um remake, mas problemas com os direitos o impediram. A Hasbro já mostrou interesse em fazer um filme live action da série (vish), assim como apresentou uma nova linha de brinquedos na New York Comic Con do ano passado. Há rumores também, de que Jem e as Hologramas será lançado em DVD. Quem dera. Agora é esperar pra ver.



Mais informações no blog Jem Brasil

Reações: